“Quantas experiências cabem dentro de casa?”

Histórias de bebês, crianças e a parceria de famílias e educadoras na Educação da Infância.


Pras janelas se abrirem pra mimE o vento brincar no quintalEmbalando as flores do jardimBalançando as cores no varalA casa é suaPor que não chega agora?Arnaldo Antunes / Gonçavez Filho

Março de 2020. O anúncio da pandemia causada pelo vírus SARS-COV-2, a COVID-19, leva a suspensão das atividades das escolas em todo o país. Desde então, acompanhamos no país uma sobreposição de crises- sanitária, política, econômica e claro, educacional- exigindo de todos e todas, escolas e famílias, novas vivências e reposicionamentos de muitas compreensões (COUTINHO; COCO; 2020). Às famílias o desafio de reorganizar rotinas de vida e de trabalho junto às demandas de cuidados das crianças. Às escolas o desafio de repensar seu papel social, reorganizar suas práticas e reconfigurar seus processos formativos. Foram necessárias novas estratégias para se consolidar a parceria necessária para a educação e cuidado das crianças, desde bebês.

No NEI Paulistinha as atividades remotas foram tomando novos formatos à medida que se prolongou a suspensão das atividades presenciais. Desde os primeiros dias, com as orientações de isolamento social, foram organizadas ações virtuais com buscar a manter vínculos e contatos com bebês, crianças e famílias da comunidade. No entanto, diante do prolongamento das medidas sanitárias, essas atividades foram sendo sistematizadas e organizadas de forma que pudéssemos, além da manutenção do vínculo, garantir os direitos das crianças as aprendizagens, interações, brincadeiras e as experiências nas múltiplas linguagens. Neste processo, a “casa”, nas suas mais variadas formas de ser e de se organizar, assume centralidade. Ressaltamos que falamos de “casa”, reconhecendo que no Brasil, país de realidades tão diversas e desiguais, seu conceito assume características muito próprias, atravessadas por questões de classe, gênero, raça e território, acabando por configurar experiências e formas de organização da vida também de formas diversas. De qualquer maneira, educadoras e educadores acabam por fazer delas, das suas casas, também um lugar de trabalho. Assim como, ao mesmo tempo, bebês, crianças e famílias abriram suas casas para recebê-las/los. Tantas vezes de “tão longe”, encontramos juntas e juntos, formas de estarmos “ tão perto”. “A casa é sua, por que não chega agora?”, nos convida Arnaldo Antunes. Aceitando o convite, nos conectamos nas formas até pouco tempo inimagináveis por nós. Reconhecendo e buscando sempre ressaltar o quanto acreditamos e defendemos a Educação Básica presencial, portanto, contrárias a qualquer tipo ou forma de educação à distância ofertada aos bebês e crianças pequenas, fomos tecendo novos fios para se construir novas tramas de vida, junto à e em parceria com as famílias.

Quantas experiências cabem dentro de casa? Certamente muitas! Essa Mostra vem para contar um pouco delas. A Mostra Cultural do NEI Paulistinha é organizada anualmente como parte das atividades pedagógicas, com o objetivo de compartilhar com toda a comunidade as produções e criações das crianças e suas/seus educadoras e educadores. Apresenta percursos investigativos, experiências e saberes construídos pelas turmas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental ao longo do ano. Neste, em especial, será organizada de forma virtual e contará ainda com uma sessão especial que compartilha depoimentos das famílias, tão protagonistas deste processo.

Venha conosco, navegue pelo site para (re) conhecer o trabalho desenvolvido em 2020.

Um abraço afetuoso à todas e todos.

Equipe NEI Paulistinha

Programação Mostra Cultural

Programação completa das atividades da Mostra Cultural 2020

CRONOGRAMA .pdf

Boletim

Boletim 2020: Tesouros das Infâncias Paulistinhas

BOLETIM 2020-numero 5.pdf

Unifesp 25 anos

Vídeo Institucional